Bem Vindo!

Ler é mais que decifrar códigos linguísticos...
É ver o que mais ninguém vê...
Ler é viver, é sonhar, é renascer
A cada amanhecer...
Ler é um encontro com a realidade dos sonhos
Descobrindo a cada segundo
Um mundo novo, escondido ao nosso redor...

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

MEU CAIS





Meu Cais

Desliguei o mundo
agora só o vazio no fogo das paixões
escuto a risada do vento
que se vangloria de minhas lágrimas.
sinto o frio da brisa cortar minha
pele em mil pedaços e não sinto nada
a dor anestesiou minh'alma
no momento em que o barco partiu
para qualquer lugar aonde não
existe o meu olhar em direção ao horizonte.
a música do tempo já não existe
fica o silêncio de horas esquecidas
de um súbito amor no cais da solidão
e não importa nada, pois já sou o nada
no esquecimento do desejo tão ao meu
alcance e tão distante do real as margens 
da alegria somente o que sobrou da fotografia
traços de Nanquim que não se apagará
no meu cais agora apenas os cartões postais
da felicidade que não volta mais.

Gheysa Moura

Poema dedicado ao meu amigo Arnaldo Pimentel.