Bem Vindo!

Ler é mais que decifrar códigos linguísticos...
É ver o que mais ninguém vê...
Ler é viver, é sonhar, é renascer
A cada amanhecer...
Ler é um encontro com a realidade dos sonhos
Descobrindo a cada segundo
Um mundo novo, escondido ao nosso redor...

sábado, 22 de maio de 2010

O SOL DO MEIO-DIA

SOL DO MEIO-DIA

No silêncio inerte da chuva fina
Que recai sobre o tapete verde
Sinto o cheiro da terra e do sangue
Tribal que corre em nossas veias.
Uma corrente tecida pela aranha
Poderosa e capitalista que
Instaura o medo do coletivo.
Quem importa sou eu!
Não  interessa a sua dor.
Pobre coitado, padece
Sob o mesmo sol do meio-dia
Que consome as flores
Do jardim enquanto esperam
Que a ilusão sacie sua fome.
Cante comigo na Praça 
Embalada pela Saudade
Do luar quando descemos
O Andirá!
Pode ser verdade, ainda que
Tardiamente, sinta o gosto
Da terra que acolhe o mundo
Que a exclui e norteia
Em meio ao ser e o não ser
Da patusca do malandro
Que finge ser o rei do capital.
Mas faz tanto tempo que meu
Povo esqueceu a cor do
Pendão da esperança...
(Gheysa Moura)